Pátria amada…

Quantas manifestações em favor da pátria percebemos nesse mês de setembro. Admira a forma como as pessoas mudam o foco nessa época do ano e homenageiam a sua terra, a sua pátria, suas origens. Em tempos de descrédito, precisamos de motivos para crer. Acreditar na vida, na pátria, nas lideranças, no futuro, no nosso futuro. Assim somos motivados a vestir nossas cores e dizer que somos pertencentes a essa Pátria amada. Tão logo percebemos que a semana da pátria passou, nosso entusiasmo e esperança acabam desvanecendo. O sentimento de esperança no coração das pessoas, parece que dura uma semana. A crença de que, apenas naqueles dias, as coisas poderiam mudar para melhor acaba se apagando. Essa esperança, no entanto, não precisa acabar, se for direcionada para o objeto certo. Ela precisa de bases sólidas e uma fonte que não desampara jamais. Nossa pátria precisa de esperança na fonte correta. O Deus criador se faz presente para nos dar a esperança de que neste mundo passamos por provações das mais diversas e que exatamente por isso teremos nossa fé fortalecida. A desesperança na pátria pode ser direcionada para a esperança na companhia e providência divinas num mundo tão corrupto e injusto. Somos levados a servir ao nosso Senhor, com o nosso melhor nessa pátria, mesmo tomada por senhores falsamente poderosos. Servir a pátria com o nosso melhor é nosso maior dever. Estar na pátria celeste ao lado de Cristo é nosso melhor privilégio dado pela fé nele. Pense nisso e até a próxima.

Longo prazo

Quanto tempo você consegue esperar para que um plano seja realizado?

Um ano? Uma semana? Um dia? Perdeu-se a noção do tempo de maturação dos projetos. O planejar, o esperar os recursos e as pessoas capacitadas, as ponderações de prós e contras, as mudanças e ajustes, e finalmente a realização do plano. Ainda assim, corre-se o risco de ter que refazer tudo. Perde-se tempo e essa perspectiva nos faz acreditar que não podemos perder tempo. Tempo é precioso. Isso leva a querer resultados rápidos e a curto prazo. Pode, sim, ocorrer o resultado rápido, mas nem sempre consistente que, em muitos casos, gera a superficialidade dos objetivos e até o descrédito naquilo que realmente mereceria mais tempo. Pensamos que não vale a pena investir, já que os resultados são superficiais. Não porque inexistam bons resultados, mas porque não queremos mais esperar por eles. Nossa vida é repleta de planos e realizações em tempos diferentes, pois pertencemos ao Senhor do tempo, que tem planos diferentes dos nossos. Deus sabe quando as coisas devem ser concedidas e o tempo certo em que tudo irá acontecer. Dessa forma podemos ter certeza de que se algo ainda não aconteceu, é porque a sabedoria divina está aguardando a maturação do projeto ou de nós mesmos para recebermos aquilo que pedimos. No seu tempo, as coisas acontecerão da melhor forma. No seu tempo, os planos serão realizados de acordo com a vontade de Deus. Isso é perfeito, pois a nossa pressa e ansiedade pode ser deixada de lado e na confiança plena em Deus, teremos a calma que todos precisam. Pense nisso, e até a próxima.

Produzindo frutos

Somos chamados a produzir muito e em pouco tempo. No trabalho precisamos proporcionar lucro com poucos custos. Na família é solicitado um grande aproveitamento do tempo com cada vez menos disponibilidade. Nas relações precisamos dar respostas sem nem ao menos tempo de refletir sobre os assuntos. Vemos cada vez mais acidentes de trabalho, brigas conjugais e relacionamentos quebrados pela exigência de muita produção em pouco tempo. Não há espaço para reflexão e buscar saber a causa dos problemas, mas vivemos somente na cobrança por resultados. No evangelho de Lucas, capítulo 13, está uma parábola contada por Jesus que fala de uma árvore que não produzia frutos e foi condenada pelo agricultor a ser cortada fora. Em um ato de misericórdia o dono da plantação pediu uma ultima chance e, no devido tempo, com a ação de fortificar a terra e dar tempo para a árvore se recuperar, ela produziu bons frutos. É hora de parar para pensar se a falta de bons frutos na nossa vida não é também falta e tempo para preparar as ideias, refletir as consequências e meditar sobre as decisões? Somos chamados a receber a ação misericordiosa do Deus eterno em nossa vida que proporciona melhora em nossa condição, nos transformando de pecadores em perdoados e em Cristo fortalecer nossa vivência. Certamente recebemos dele mesmo muitas chances, antes que sejamos “arrancados” por não produzir tanto quanto se espera de nós. Pense nisso, e até a próxima.

Viver o que é real

Impressionam as informações demonstrando as limitações no aprendizado de nossas crianças. Falta capacidade de concentração dos alunos e motivação dos professores. Percebe-se as crianças que ficam até quarenta minutos com os olhos fixos em uma tela e não conseguem ficar dez minutos com os olhos fixos em um livro. É uma concorrência injusta. É preciso aprender com tudo isso. Cabe refletir sobre o que se pode fazer. Os professores de escolas confessionais, e outras, têm uma grande vantagem diante desse cenário todo. A AFETIVIDADE E A ESPIRITUALIDADE - Sim. Os meios eletrônicos aproximam as pessoas distantes e distanciam as que estão mais próximas. Mostrar para essa geração que o contato humano é a base para a vivência em sociedade é permitir que eles experienciem atividades vividas na escola refletidas sobre a vida real. Quando essa geração tiver que procurar um espaço na sociedade e perceber que a vida está além da interatividade tão cativante das telas touchscreen, irão lembrar da afetividade e da espiritualidade que a escola confessional lhe ofereceu e irá certamente agradecer.

A afetividade e a aproximação humana que a escola pode proporcionar jamais vai ser substituída por qualquer meio eletrônico. A afetividade ficou em segundo plano possibilitando a escola um ambiente de interação, amizade, relacionamentos e contatos reais. Precisamos aprender, nesse meio imediatista, a proporcionar uma parada para refletir, meditar e “digerir” essa agitação. É uma ótima oportunidade para ensinar a conviver realmente, pois receber um pouco de atenção é sempre muito bem-vindo. Aqueles que já se atentaram a esse detalhe, estão colhendo ótimos frutos com crianças afetivas, relacionamentos mais verdadeiros e sinceros além de terem a certeza de poderem contribuir para a sociedade com pessoas mais coerentes e conectados com a vida real e especialmente com Deus. Pense nisso e até a próxima.

Ser imitador

Efésios 5.1 - Portanto, sejam imitadores de Deus, como filhos amados.

Ainda criança, procuramos alguém que nos dê segurança. Vemos isso quando uma criança imita o jeito do pai, a palavra da mãe e até o modo de caminhar de um adulto que tem como referência. É um olhar de admiração e aprovação. Uma criança que é colocada desde cedo na escola, fica em contato com um professor durante várias horas do dia. Quando chega em casa, tem contato com a TV, Internet e acaba observando a postura de diversos adultos. Ao final do dia, terá visto, admirado e imitado uma série de outros adultos que nem sempre serão seus pais. Isso é muito interessante.

O pai que fala mentiras regularmente, tem o olhar do filho atento para seguir seus passos. É visto como algo aceitável pela criança. O pai que é bruto e violento, fala palavrão e é grosseiro com as outras pessoas, terá no seu filho um pequeno espelho, pois terá no pai um exemplo. Da mesma forma o pai que é honesto, correto, trata as pessoas com bondade e é justo nos seu agir, terá no seu filho um seguidor fiel e assíduo, observando seu jeito de ser e sua maneira de proceder, pois terá nele um exemplo de algo que deu certo.

Nesses casos é muito fácil criar um filho no bom caminho e também é muito fácil estragar o filho. Não precisa fazer nada de mais, apenas ser você mesmo e terá esse resultado refletido automaticamente. Mas, por que muitos filhos saíram tão errado, com pais tão certos? Pode ser que o pequeno se espelhou em outro adulto que ocupou mais tempo do que o próprio pai. É ruim, mas é uma realidade comum. Uma boa conversa para avaliar como foi o dia do filho, pode servir para equilibrar essa balança que, pela necessidade de trabalho e compromissos inevitáveis, acabam deixando muitos pais com dívida perante seus filhos.

Deus se coloca na posição de nosso exemplo a ser seguido. Em Cristo ele se faz muito presente e tem por certo que aqueles que seguirem seu exemplo terão um ótimo resultado em suas vidas. Cristo venceu todas a maldade, o pecado e a morte, conquistando para todos a vida eterna. Quem o seguir, ter a ele como exemplo de vida, poderá fazer algo maior, apontar esse exemplo para outras pessoas. Esse sim é um ótimo exemplo.

Inimigos Invisíveis

Você consegue identificar os inimigos invisíveis? Por exemplo, o ciclista o reconhece com muita facilidade durante seus pedais. Trata-se de um inimigo que tem muito poder, quer seja nas subidas, descidas ou planícies. Por mais que não conseguimos enxerga-lo, sua influência é real. Refiro-me ao vento que sopra forte no sentido contrário. Sua força, nos atrapalha demais e, mesmo que não o vemos, não temos como negá-lo. Aliás, seria imprudência pedalar negando o quanto sua força contrária nos atrapalha.

Na vida não é diferente. É imprudência quando tentamos negar algumas situações do dia a dia. As vezes gastamos toda a nossa energia tentando negar os problemas familiares, conjugais, ou no ambiente de trabalho. As vezes até tentamos negar o estrago que alguns vícios provocam em nós.

Negar, não faz com que deixem de existir. Precisamos reconhece-los, e mais, reconhecer o quanto nos atrapalham de seguirmos. Assim reconheceremos o quanto precisamos de ajuda e nos concentraremos em enfrenta-los.

Diante desta constatação lembre-se desta frase: “Não fiquem com medo, pois estou com vocês; não se apavorem, pois eu sou o seu Deus. Eu lhes dou forças e os ajudo; eu os protejo com a minha forte mão”. (Isaías 41.10)

Encare a realidade, e saiba que se você negar a situação ou fugir dela, você estará sozinho. Mas ao reconhecer o poder negativo que ela exerce sobre você, e a força que Deus lhe dará para supera-la, terás inúmeras mãos amigas que irão lhe empurrar no processo de superação.
Conte sempre com as nossas mãos.

Carlos Kracke

Diretor do Colégio Luterano Rui Barbosa

Marchal Cândido Rondon

Onde está Jesus?

Depois da ascensão, passados os 40 dias da páscoa, ficamos com a pergunta sobre o local da permanência de Jesus. Há uma grande diversidade de respostas, cada uma vinda de uma interpretação diferente. Longe desse mundo, lá no céu aguardando o dia do juízo final, dizem alguns; nas igrejas quando estamos lá orando e celebrando rituais repletos de tradições, dizem outros; na Bíblia aberta sobre a mesa e emanando dela quando estamos em contato com o texto sagrado, diriam alguns mais entusiasmados. Fato é que as diversas interpretações sobre a permanência de Jesus Cristo o limitam a um local apenas, e reduzem a sua ação. Enquanto estava com Deus, antes do tempo de sua vivência humana, como menino e homem, Cristo acompanhava desde a criação as providências divinas. Na sua passagem aqui nesse mundo, se fez visível e presente, para mostrar o que é amar, na perfeição do termo enquanto estava na presença do Pai formando a Trindade em sua essência, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Quando da sua ascensão ao céu, em forma humana, com seu corpo físico, foi para o céu ao lado de Deus, para governar toda a existência e sim, esperar sua segunda vinda para julgar os vivos e os mortos, num tempo que só o Pai conhece. Onde está Jesus agora? No céu junto de Deus, nas palavras da Bíblia quando é lida e interpretada à luz da fé e é claro, lembrando de sua promessa, ao nosso lado todos os dias, até a consumação dos séculos. Saber que Jesus está em todos os lugares e atento a tudo que fazemos nos dá segurança e tranquilidade para seguirmos nossas vidas em paz. Onde está Jesus? Ele está aqui, sempre esteve e sempre estará. Pense nisso e até a próxima.

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia
Santa Rosa - RS

Já imaginou?

Já imaginou se Deus fizesse uma relação de todas as nossas atitudes, erros e acertos ao longo de nossa vida? Daria uma lista bem interessante e um tanto vergonhosa, quem sabe. Seria bem interessante relembrar coisas que tínhamos como certas e agora já não são mais. Já imaginou? Pois é, Deus faz isso e nos surpreende quando utiliza essas informações. Qualquer um de nós teria a ideia de extorquir alguém, tentando levar alguma vantagem, se dar bem, por saber do passado do outro com tantos detalhes. Deus, ao contrário nos coloca na vantagem e pesa em sua balança justa e correta todas as nossas atitudes. As nossas conquista, ele elogia, os nossos acertos ele usa para construir nossa realidade, nossas virtudes pesam ao nosso favor. Porém, as desgraças, erros e problemas causados por nossa incapacidade de agir com coerência, ele simplesmente coloca nas mãos do seu Filho Jesus e na hora de pesar, coloca Cristo na balança. Isso mesmo. Não é o peso dos meus erros, mas o valor de Cristo que é medido. E nesse caso, saímos na vantagem sempre. Isso se chama amor. Isso se chama perdão. Isso se chama, Deus agindo em mim e por mim. Como é bom saber que temos um Deus que age em nosso benefício e nos perdoa sempre. Como é bom saber que temos um Deus atento a nossa vida e que quer o nosso melhor. Pense nisso e até a próxima.

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia
Santa Rosa - RS

Semaninha corrida

Você teve a impressão de que o ano está passando ligeiro demais? Ficou acumulado algum projeto para ser realizado agora, e ainda nem sequer entrou na fila de prioridades? Bem vindo ao dia-a-dia da maioria de nós. Uma sociedade doente que a cada novo dia máquinas, ferramentas e softwares que deveriam agilizar nossa vida no trabalho, em casa e nas horas de lazer, com a desculpa de ganhar tempo, nos distraem e confundem. Estão nos dando uma falsa noção de que temos mais tempo para colocar atividades na nossa lista de tarefas.

Não preciso mais visitar um amigo, mando uma mensagem de texto e sobra tempo para marcar uma aula no cursinho. Estudo em casa e posso fazer aquele relatório atrasado. É só copiar e colar do anterior e fazer algumas alterações então, posso passar na lancheria e comprar algo pronto para comer no ônibus e assim não perco tempo almoçando.

Uma reação em cadeia que não tem fim. Um ciclo vicioso que tira o sono de muita gente. Salomão, o salmista mais ocupado e cheio de compromissos com sua fortuna e autoridade ensina uma lição: “Quando me deito, durmo em paz, pois só Deus o Senhor me faz repousar tranquilo.” Salmo 4, verso 8. O mundo continua girando se eu diminuir o ritmo, que, pensando bem, fui eu mesmo que escolhi. Posso escolher mudar, para o meu próprio bem e a glória de Deus. Pense nisso e até a próxima.

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia

Refletindo na adolescência

O que os meus olhos veem

Certa vez um grupo de meninos combinou em brincar na praça perto de casa. Era uma brincadeira diferente, eles deveriam fazer uma análise dos brinquedos e das plantas que tinham pela praça. Tão logo, começaram a brincadeira, todos só enxergaram os defeitos. Os brinquedos, plantas, tudo parecia sem sentido para eles. Entre as plantas, uma em especial foi motivo de muitas críticas, o limoeiro. Ele estava carregado de limões. Ninguém elogiou o limoeiro, ainda diziam: se fosse outra fruta até seria legal, mas plantar logo um limoeiro na praça, isso não tem sentido. A brincadeira terminou, e foram todos para a casa do Joãozinho. Ele falou sobre a brincadeira com sua mãe que mostrou uma bela lição com uma deliciosa limonada. Todos se olharam e viram que também foram injustos ao julgar o limoeiro sem observar sua importância. Algo parecido apreendeu com o texto de Lucas 11.34: “Os olhos são como uma luz para o corpo: quando os olhos de você são bons, todo o seu corpo fica cheio de luz. Porém, se os seus olhos forem maus, o seu corpo ficará cheio de escuridão”.

Pastor André Buchweitz Plamer

Colégio ULBRA São João – Canoas/RS

Vou viver e anunciar o que o Senhor tem feito.  “No Lugar onde fui colocado por Deus”

Olá. Tudo bem com você?

Por que você estuda? Por que você precisar ir para a escola? A escola é um lugar legal?

Quantas perguntas, não é mesmo? Mas antes de você responder cada uma delas, gostaria que você lesse a história abaixo.

 Pedro era um aluno que não gostava de estudar, não gostava de ir à escola e achava a escola um lugar muito chato. E assim, ele ficava chateado toda vez precisava ir à escola e estudar.

Certo dia, quando estava chegando a escola para mais um dia de aula, logo na entrada do colégio, ele viu um colega chorando. Mesmo contra sua vontade, ele se aproximou e perguntou o que estava acontecendo.

Tiago, todo envergonhado, com a cabeça baixa e muito triste não queria conversar. Mas Pedro insistiu e lhe perguntou:

- Ei o que aconteceu? Posso te ajudar?

Foi ai que Tiago, conseguiu levantar a cabeça e dizer:

- Estou muito triste, minha vó está doente. Além disso, por mais que eu tento, não consigo fazer este exercício que o professor de matemática passou.

Tiago ficou meio confuso em como poderia ajudar. Mas mesmo assim, colocou o braço no ombro do colega e disse:

- Cara, eu também gosto muito da minha avó, e acho que também ficaria muito triste se ela estivesse doente, mas lembre-se que ela não está sozinha, acho que Deus vai cuidar dela para você.

Tiago levantou os olhos e sorriu, sentindo-se mais tranquilo e fortalecido diante das palavras do colega.

Pedro continuou:  - Me mostra este exercício de matemática, não sou bom nisso, mas quem sabe posso te ajudar.

Quando Pedro viu o exercício que o colega não conseguia fazer, seus olhos brilharam e ele todo orgulhoso, percebeu que no dia anterior o seu professor havia explicado aquele conteúdo. E assim, logo começou a dizer:

- Acho que eu posso te ajudar. Você está errando porque esquece que quando é uma conta de subtração (continha de menos), o número maior precisa ser coloca em cima. Faz ai.

Tiago faz a conta e percebe que o resultado deu certo. Logo agradece ao novo amigo e volta a sorrir e diz:

- Poxa Pedro, não achei que você seria tão importante na minha vida hoje. Muito obrigado.

Logo se despediram e voltaram para suas salas.

Pedro entrou na sala de aula, sentou-se na sua cadeira e ficou pensando na frase que Tiago lhe disse. “não achei que você seria tão importante na minha vida hoje”. Esta frase o intrigou e ele se perguntava. Eu fui importante? Mas só falei que Deus cuidaria da avó dele e o ajudei naquele exercício.

E foi assim que Pedro começou a entender a importância de estudar. Como havia prestado atenção na explicação do professor de matemática, pôde ajudar seu colega no exercício. Como havia prestado atenção na aula de ensino religioso, lembrou desta frase para consolar seu colega.

E hoje quando perguntam para o Pedro; Por que você estuda? Por que você precisar ir para a escola? A escola é um lugar legal?

Pedro abre um sorriso e responde: “Eu venho a escola, estudo, presto atenção na aula, pergunto quando tenho dúvidas, pois ajudando o Tiago, percebi que quando sei o conteúdo e presto atenção nos meus colegas, posso fazer da minha escola um lugar especial para mim e para os outros.

 

Carlos Kracke

Diretor do Colégio Luterano Rui Barbosa. Marechal Cândido Rondon/PR

“Tempo bom”

Nos últimos dias tem havido muitas previsões do tempo. Chuvas, trovoadas, céu aberto e sol. Há dúvida sobre qual roupa usar: Se óculos de sol e boné ou um belo e reforçado guarda chuvas. Pode até ser que algum compromisso seja cancelado por causa da previsão do tempo. Mudamos o humor e a expressão do rosto dependendo da previsão. O que admira é que para algumas pessoas, independente do que esteja programado para as próximas horas, não se importam com o que está por vir. Faça chuva ou faça sol estão bem, de bom humor e facilmente se adaptam ao clima, tanto da natureza quanto dos relacionamentos. Enfrentam a vida com uma disposição invejável. Se o dia guarda um desafio, enfrentam com determinação. Se tem reservado a calmaria, tanto melhor, será aproveitado com muita alegria. O que há de diferente com este tipo de gente? Exatamente a maneira de ver as coisas. Se limitar a ver um fato somente com o que se revela diante dos nossos olhos, é perder a oportunidade de avaliar o todo de cada evento e as consequências do mesmo. Um desafio pode ser a oportunidade que faltava.
Um obstáculo pode ser o ponta pés que nos leva adiante. A crise é chance de crescer. Todo evento tem a supervisão e a companhia de Deus que quer o nosso melhor, sempre. Sendo assim, se confirma o ditado que “depois da tempestade sempre vem a bonança.”

 

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia de Santa Rosa - RS

“O que eu desejo e o que eu preciso”

Facilmente faríamos uma lista de nossos maiores desejos. Garanto que inúmeros bens materiais e sentimentos imediatos estariam no topo. Eletrônicos, automóveis, bens de consumo; felicidade, alegria, prosperidade e contentamento. Mas, vamos fazer uma lista das nossas necessidades. Teríamos um outro teor em uma nova lista nem tão simples de ser preenchida. Quando pensamos em nossas necessidades e nos nossos desejos acabamos confundindo com frequência uma coisa com a outra. O que eu desejo, é o que, em geral, de imediato traria felicidade e satisfação. Percebam que o nosso objetivo quando compramos algo ou buscamos uma emoção, fazemos para criar o sentimento de alegria e felicidade. Infelizmente são superficiais e passageiros, rapidamente substituídos por algo novo e desconhecido. Faz parte de nossa essência humana essa busca por novos horizontes. O que necessitamos para a vida, então? Garantias de sobrevivência, segurança, saúde e esperança. São permanentes e trazem estabilidade tanto em nossas emoções quanto em nossas ações. Muitas pessoas encontram esta segurança no seu contato com o divino e testemunham que esta aproximação com Deus pode satisfazer tanto nossos desejos mais imediatos quanto nossas necessidades mais permanentes. Realmente tem feito toda a diferença na vida de muitos. Pense nisso e até a próxima.

 

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia de Santa Rosa - RS

Meditação

Grama Verde

Você se considera uma pessoa de posses? Isso mesmo, bens materiais, poder aquisitivo, renda, patrimônio. O que você tem é considerado satisfatório? Para muitos essa questão é respondida comparando com outras pessoas. Se eu considero que bem sucedido é aquele que pode comprar boas coisas ou bem de vida é quem pode desfrutar de férias a qualquer dia do ano, então, posso não ser um sucesso. Sempre que comparo o que tenho com o que o outro tem, a tendência é pensar que “a grama do vizinho é mais verde.” Convido a que olhemos para nosso “gramado” e façamos uma pequena reflexão: O que é ser bem sucedido? E neste início de ano é muito pertinente essa reflexão. Vou enumerar aqui uma lista de coisas que podem ser encaradas como sintoma de sucesso. Primeiro: Você tem uma casa para se abrigar;
Segundo: Você tem comida na mesa; Terceiro: Tem alguém que se importa com você;
Quarto: Você se importa com alguém. Se esta lista corresponde ao seu inventário de bens pessoais, considere-se uma pessoa abençoada por Deus. É claro que há muito mais para se buscar, mas não lamente por não ter o que o “vizinho” tem. Observe ao seu redor e verá que a sua “grama também é verde” e suficiente para as suas necessidades. Pense nisso e até a próxima.

 

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia de Santa Rosa - RS

Meditação

Autenticidade

No que você é bom? Mas bom mesmo. O que você faz que quase ninguém mais faz igual? Algo só seu? Há quem saiba cantar como ninguém. Desenhar muito bem. Praticar um esporte tecnicamente perfeito. Sem igual. Tem sua marca registrada. Na tentativa de encontrar o seu diferencial, em geral as pessoas acabam fazendo exatamente o contrário: imitam os outros. É comum vermos grupos de pessoas que se identificam pela vestimenta, estilo musical e gostos por algum esporte. Parece até que autenticidade no verdadeiro significado não existe mais. Pois quero dizer que há sim quem seja original e sem igual. Há quem faça algo que ninguém mais fez e que em tempo algum foi ou poderá ser imitado. Alguém que durante toda a sua vida exerceu um jeito único de conversar com as pessoas e sondar o coração humano. Quem em todos os momentos procurou atender a vontade do próximo e não a sua, abrindo mão de seu conforto e paz para deixar outras pessoas na verdadeira paz. Que é autêntico como ninguém em sua ação em favor das pessoas, até com quem nem o conhecia. Sabe de quem estou falando? Jesus Cristo. Ele foi e continua sendo autêntico em seu viver generoso para resgatar a humanidade. Pense nisso e até a próxima.

Pastor Alexandre Ulrich

Capelão Colégio Concórdia de Santa Rosa - RS